Instagram

Seguir por Email

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Mitos e verdades sobre a hipertensão arterial



De acordo com a Sociedade Brasileira de Hipertensão, mais da metade dos idosos tem pressão alta, 30% da população em geral e 5% das crianças. Essa é uma doença silenciosa que dificilmente apresenta sintomas e, por isso, gera preocupação. Se não tratada, a hipertensão pode provocar derrames cerebrais, doenças do coração, como infarto, insuficiência cardíaca e angina (dor no peito), insuficiência renal ou paralisação dos rins e alterações na visão que podem levar à cegueira. Tendo em vista o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial, celebrado em 26 de abril, que chama atenção para a importância da prevenção e de dar continuidade ao tratamento, o cirurgião cardiovascular da Beneficência Portuguesa de São Paulo Marcelo Sobral selecionou alguns mitos e verdades sobre a doença. Confira:

1.      Se eu não sinto sintomas de hipertensão, não tenho a doença? Mito!

A maioria dos hipertensos não apresenta sinais referentes à doença, ou seja, esse problema pode ser assintomático.  Os sintomas mais comuns são dor de cabeça, dor na nuca, enjoos, tonturas e falta de ar e aparecem, na maior parte das vezes, quando a doença já causou danos ao nosso corpo.

 2.      O Sal eleva a pressão arterial? Verdade!

O consumo em excesso do sal pode causar retenção de líquido, inchaço e aumento da pressão arterial.  É recomendado a ingestão máxima de 3 gramas de sal/dia.  Uma dica importante é substituir a opção refinada por temperos ou até sal rosa ou integral que além de possuírem diferentes minerais ainda reduzem a pressão arterial.

 3.      A boa alimentação auxilia no controle da pressão alta? Verdade!

O sobrepeso e a obesidade podem acelerar em até 10 anos o surgimento da pressão alta, já que exige do coração um maior esforço. O consumo em excesso de gordura saturada e o baixo consumo de alimentos saudáveis como frutas e verduras contribuem para o aparecimento da hipertensão.

 4.      O estresse não tem qualquer ligação com pressão alta. Mito!
O estresse, reação natural do nosso organismo, causa a elevação da pressão do nosso coração. Por isso, o estresse está extremamente ligado ao aparecimento da hipertensão. É importante manter uma rotina tranquila.

5.      A hipertensão é predominante em mulheres. Verdade!

A prevalência da pressão alta aumenta com a idade, cerca de 60 a 70% da população acima de 70 anos é hipertensa. As mulheres apresentam incidência maior de pressão alta em relação aos homens e essa relação se mantem após os 50 anos (menopausa). Em relação à etnia, além de ser mais comum em indivíduos afros descendentes, especialmente em mulheres, a pressão alta é mais grave e apresenta maior taxa de mortalidade.

6.      Hipertensão arterial sempre é hereditária. Mito!

Nem sempre. A hipertensão arterial é classificada em primária, que corresponde a 90% da população de doentes e trata-se de uma síndrome que depende de fatores genéticos e ambientais (consumo excessivo de sal e álcool, obesidade, sedentarismo e o estresse). No caso da secundária, doenças das artérias renais, glandulares e endurecimento de paredes de grandes artérias causam o aumento pressórico. 

7.      Com a pressão controlada, o paciente pode interromper a medicação. Mito!
Mesmo com a pressão sob controle, não é permitido parar com a medicação, uma vez que a pressão só está controlada devido aos medicamentos. Exceção à hipertensão secundária ou relacionada ao estilo de vida, por exemplo, sedentarismo e obesidade, já que com a mudança de hábito, a pressão alta pode desaparecer.


https://ssl.gstatic.com/ui/v1/icons/mail/images/cleardot.gif
8.      Exercícios físicos auxiliam no combate à hipertensão arterial. Verdade!

A prática esportiva ajuda a romper o ciclo do sedentarismo e promove melhoras no condicionamento físico.

 Sobre Beneficência Portuguesa de São Paulo

Fundada em 1859, a Beneficência Portuguesa de São Paulo (www.beneficencia.org.br) é a maior instituição hospitalar privada da América Latina, contando com aproximadamente 7.500 colaboradores e 3.000 médicos, e com uma gestão baseada na qualidade assistencial, humanização, ensino e pesquisa, além de um corpo clínico formado por renomados especialistas. A instituição é referência no atendimento médico hospitalar em mais de 50 especialidades, como cardiologia, oncologia, neurologia, gastroenterologia, ortopedia, urologia, entre outras. Atualmente, a Beneficência Portuguesa conta com três hospitais que somam mais de 1.200 mil leitos de internação. O Hospital São Joaquim, primeiro pilar da Instituição, realiza atendimento ao Pronto Socorro, UTIs, Internações e Cirurgias. Em 2007, foi inaugurado o Hospital São José, que se destaca pelo atendimento oncológico com padrões internacionais, entre outras especialidades. Em 2012, o Hospital Santo Antônio foi criado com o objetivo de oferecer atendimento a pacientes usuários do Sistema Único de Saúde, reforçando a responsabilidade social e carácter beneficente da Associação. Já em 2013, a Instituição criou o Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes para ser um dos maiores e mais completos núcleos de tratamento de câncer no país.

Nenhum comentário:

Postar um comentário