Outubro Rosa: um olhar além do diagnóstico precoce do câncer de mama



Quase 50% das pacientes diagnosticadas no SUS já estão em estágio avançado, sendo a causa principal a detecção tardia

Neste mês acontece o Outubro Rosa, uma campanha de conscientização direcionada às mulheres sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama.

Esse tipo câncer é considerado uma das principais causas de morte entre as brasileiras. São 57 mil novos casos a cada ano (estimativa 2014/2015 – INCA), sendo que 50% das pacientes diagnosticadas no SUS já estão em estádio avançado. No Brasil, as taxas de mortalidade por câncer de mama chegam a mais de 13 mil mulheres/ano, conforme dados do INCA.

O que deve ser destacado, além do diagnóstico precoce, é o crescimento de casos avançados. Atualmente, há aproximadamente 250 mil mulheres vivendo com câncer de mama avançado em todo o mundo. Elas enfrentam desafios distintos daquelas que estão em um estádio inicial da doença, até porque, no momento não existe cura, mas, de acordo com estudos recentes, novas opções de tratamento desenvolvidas adiam o uso da quimioterapia e estendem a vida dessas pacientes.

Segundo o Dr. André Mattar, oncologista do Hospital Pérola Byington, de São Paulo, é importante ressaltar que nos últimos anos, principalmente nos países desenvolvidos, houve uma redução da mortalidade pelo câncer de mama e isto foi atribuída principalmente aos programas de rastreamento mamográficos e claro ao tratamento oportuno tanto cirúrgico como o sistêmico. “Dentre os tratamentos inovadores observamos o tratamento com drogas chamadas de terapia-alvo específicas que atuam em determinados tipos de tumores aumentando a resposta ao tratamento convencional e prolongando muito o tempo e a qualidade de vida das pacientes com câncer de mama”.

Confira algumas informações importantes sobre o câncer de mama avançado:

·         O melhor exame para detectar o câncer de mama continua sendo a mamografia, mesmo assim outros exames podem ser associados como ultrassonografia e ressonância nuclear magnética dependendo de cada caso.

·         Quando o câncer de mama torna-se avançado ou metastático, significa que a doença já se espalhou para além da mama, para áreas como o cérebro, ossos, pulmão ou fígado.

·         Enquanto as mulheres com câncer de mama em estádio inicial podem ser mais facilmente tratadas, 3 em 10 mulheres irão desenvolver a forma avançada da doença e irão permanecer em tratamento até o final de suas vidas.

·         40% das mulheres que vivem no estádio mais avançado da doença sentem-se isoladas do grande movimento sobre câncer de mama.

·         Cerca de 20% dos casos de câncer de mama são considerados hereditário, ou seja, são devidos a uma alteração genética que pode ser transmitida para os familiares, sendo mais frequente antes dos 50 anos e mais frequente ainda antes do 40 anos.

·         Nos estádios iniciais 1 e 2 a chance de cura chega a 80% enquanto nos estádios avançados, como estádio 3 a chance de cura é ao redor de 40%.

·         A doença conta com uma comunidade de apoio engajada e ativa, no entanto, as principais campanhas sobre câncer de mama giram em torno de assuntos como detecção precoce, prevenção e possibilidade de cura, deixando de fora aspectos relacionados às fases avançadas da doença.


Serviço:
Para estimular a população a realizar o autoexame de mama, visando a identificação precoce, foi criado o Outubro Rosa. Órgãos públicos e privados promovem uma série de ações de combate e prevenção da doença.


A Universidade Metodista de São Paulo, por meio da Policlínica, também abraçou a causa do Outubro Rosa: durante este mês, serão distribuídos laços rosas, que estarão disponíveis na recepção da Policlínica Metodista. No dia 26 de outubro, segunda-feira, entre 15h e 18h, haverá um plantão de orientação sobre o câncer de mama e o autoexame com a médica responsável pela área ginecológica da Policlínica. Os atendimentos serão gratuitos, bastando apenas o agendamento prévio pelo telefone (11) 4366-5565.
Outubro Rosa
A história do Outubro Rosa remonta à última década do século 20, quando o laço cor-de-rosa, foi lançado pela Fundação Susan G. Komen for the Cure e distribuído aos participantes da primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York, em 1990 e, desde então, promovida anualmente na cidade (www.komen.org).
Em 1997, entidades das cidades de Yuba e Lodi nos Estados Unidos, começaram efetivamente a comemorar e fomentar ações voltadas a prevenção do câncer de mama, denominando como Outubro Rosa. Todas ações eram e são até hoje direcionadas a conscientização da prevenção pelo diagnóstico precoce.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

5 dicas de alimentação para 2017

Por que minhas dietas não funcionam?