Instagram

Seguir por Email

terça-feira, 4 de agosto de 2015

Gengiva requer tantos cuidados quanto os dentes


Responsável por revestir ossos que sustentam os dentes, a gengiva pode afetar a aparência e influenciar na saúde geral do corpo

   Ao contrário do que muita gente pensa, a saúde bucal não está ligada somente ao cuidado com os dentes, mas também com a gengiva, revestimento dos ossos que sustentam os dentes. As chamadas periodontopatias, doenças ligadas à gengiva, afetam tanto na aparência e auto-estima, como na saúde geral do corpo. As infecções, o mau hálito e, em casos mais graves, a perda de dentes, podem ser alguns dos problemas causados pela falta de cuidados com a gengiva.

   “Os principais problemas gengivais são a gengivite e a doença periodontal, sendo a segunda, uma doença mais grave, que requer mais cuidados”, afirma Dr. Paulo Coelho Andrade, mestre especialista em implantodontia e odontologia estética. A gengivite é sinalizada pela inflamação gengival, e sangramento, mau hálito e gengivas inchadas e avermelhadas. Já a doença periodontal é caracterizada, também por mau hálito e inflamação persistente da gengiva, mas também pela perda óssea, presença de bolsas periodontais e pus.

   Uma das principais causas das periodontopatias e até das cáries é a chamada placa bacteriana, uma película transparente que se forma sob os dentes e ao redor das gengivas. Ela é composta por bactérias que decompõem restos de alimentos acumulados, o que produz ácidos que acometem dentes e gengiva. Com o tempo, esta placa pode se mineralizar, formando o tártaro. Juntos, ambos destroem as fibras gengivais e, se não tratados, podem comprometer até mesmo a estrutura óssea, levando à perda de dentes.

   Segundo pesquisa realizada em 2010 pelo Ministério da Saúde, os problemas gengivais tendem a aumentar com a idade. O percentual de indivíduos sem nenhum problema periodontal foi de 68% para a idade de 12 anos, 51% para a faixa de 15 a 19 anos, 17% para os adultos de 35 a 44 anos e somente 1,8 nos idosos de 65 a 74 anos. A gengivite e o tártaro são mais comuns entre adolescentes. Já a doença periodontal aparece de modo mais significativo em adultos.

   De acordo com o especialista, a gengiva deve ter um aspecto opaco e poroso, semelhante à casca de laranja. “Gengivas inchadas, lisas e brilhantes caracterizam periodontopatias”. Em ambas enfermidades pode não haver dor, o que dificulta a percepção da destruição que está ocorrendo. O indivíduo somente começa a perceber a doença periodontal quando a gengiva sangra ou há mobilidade de algum dente. “É importante frisar que a nicotina inibe o sangramento gengival e, devido a isto, fumantes devem tomar um cuidado maior”.

   O tratamento para a gengivite consiste em eliminar as causas e reverter os sintomas para que a inflamação não se converta em algo mais grave. Boas práticas de higiene bucal e limpezas periódicas ajudam a sanar o problema. Já o tratamento para o doença periodontal varia de acordo com a gravidade da infecção, podendo incluir raspagem e escovação da raiz ou até extração de dentes e inserção de implantes.

   É o caso do engenheiro mecânico, Moisés Gomes, que, aos 58 anos, após perda de alguns dentes por consequência da doença periodontal, optou pela extração dos demais e inserção de implantes. “Vim de uma geração onde não haviam tantos cuidados com os dentes como atualmente. Depois de perda de dentes, restaurações, pontes, entre outros, optei pela prótese protocolo. O resultado é surpreendente. Houve melhora na fala, mastigação, halitose, estética e até no sono”.


   Vale lembrar também, que a doença periodontal é um dos fatores causadores de doenças sistêmicas mais graves como: doenças coronárias (a doença periodontal deixa o indivíduo duas vezes mais susceptível às doenças cardíacas) osteoporose, diabetes, doenças respiratórias e nascimento de bebês prematuros e com baixo peso. O ideal é manter a boca saudável através do cuidado diário (escovação e uso do fio dental) e fazer visitas periódicas ao dentista (mínimo de 6 em 6 meses). Os problemas bucais podem ter carga genética e, nestes casos, os cuidados devem ser redobrados. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário