Câncer de testículo tem 95% de chance de cura quando descoberto em fase inicial

 

 

 

 

Simpósio Internacional de Tratamento de Câncer Urológico

2 e 3 de setembro de 2011, em São Paulo

Mais comum em homens de 15 a 35 anos, câncer de testículo
tem 95% de chance de cura quando descoberto em fase inicial

 

 

 

Diferente do câncer de próstata que costuma acometer homens com mais frequênca após os 50 anos, o tumor testicular é mais comum em homens jovens. Embora agressivo, índice de mortalidade é baixo principalmente quando ocorre diagnóstico precoce. Simpósio em SP discutirá de 2 a 3 de setembro os avanços no tratamento da doença

 

 

 

Levantamento realizado pelo Núcleo de Urologia do Hospital A.C.Camargo junto a 940 pacientes diagnosticados com câncer de testículo e atendidos pelo serviço desde sua fundação em 1953 até 2009 mostra que, quando descoberta em fase inicial, a doença tem cura em até 95% dos casos. Em quadros avançados, que podem incluir a metástase — quando células cancerosas do tumor original migram para outras partes do corpo, formando tumores secundários —, as chances de cura se reduzem, mas continuam maiores que 70%.

Esta experiência no tratamento de câncer de testículo será um dos temas do Simpósio Internacional de Tratamento de Câncer Urológico, promovido pelo A.C.Camargo, entre os dias 2 e 3 de setembro no Hotel Pullman, em São Paulo. Serão discutidas questões terapêuticas relacionadas à doença como linfadenectomia, quimioterapia, radioterapia, estratégias para preservação de fertilidade e como amenizar efeitos colaterais do tratamento. Simpósio abordará também os tumores de próstata, rim, pênis e bexiga. As inscrições estão abertas e a programação em http://www.accamargo.org.br/simposiourologia2011.

A evolução no tratamento do câncer de testículo ao longo das últimas décadas é um dos fatores para o baixo índice de mortalidade. "Na década de 1970, a taxa de cura nos casos em estágio inicial era de apenas 60%", afirma Gustavo Cardoso Guimarães, cirurgião oncológico e diretor do Núcleo de Urologia do Hospital A.C.Camargo. "Isso se deve à introdução de uma terapia multidisciplinar, que aumentou muito as chances de cura". Mais do que a retirada do tumor, em muitos casos os pacientes devem complementar o tratamento com quimioterapia, radioterapia e até mesmo uma nova cirurgia para retirar resíduos de massa tumoral.

O câncer de testículo é mais comum em homens jovens, principalmente na faixa entre 15 e 35 anos.  Estima-se que no Brasil a doença atinja 8.300 homens e mata 350 por ano. A doença atinge mais homens brancos (a incidência é de 6,5 casos em cada 100 mil homens, enquanto para negros essa taxa é de 1,3). Os principais fatores de risco são o histórico de câncer na família e criptorquídia, condição em que o testículo não desce para o escroto após o nascimento.

Autoexame - Um importante instrumento para o diagnóstico precoce é a realização do autoexame, para tanto, o homem pode ficar de pé, de preferência em frente ao espelho, e verificar a existência de alterações em alto relevo na pele do saco escrotal. Com os dedos indicador, médio e polegar, deve-se examinar cuidadosamente cada testículo para saber se há algum nódulo, tomando cuidado para não confundir com o epidídimo, canal localizado atrás do testículo e responsável por coletar e carregar esperma. Os tumores - geralmente pouco maiores do que uma ervilha - estão localizados com mais frequência nas laterais dos testículos e menos na parte de baixo.

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

5 dicas de alimentação para 2017

Por que minhas dietas não funcionam?