A influência da alimentação no surgimento de cáries

 

 

A dieta ocupa uma posição central no desenvolvimento da cárie, pois o diário e frequente consumo de carboidratos alcança a cariogenicidade, ou seja, indivíduo com grande suscetibilidade à doença cárie, tendo efeitos locais (metabolismo da placa - produção de ácidos, que associados a queda do Ph causam a cárie) e efeitos sistêmicos. A nutrição trata dos elementos participantes da dieta e metabolizados no organismo.

É importante lembrar que os gens também determinam a pré disposição do homem a adquirir a doença cárie. Ou seja, pais com grande incidência de cárie, doença periodontal e etc, que não se preocupam em deter os processos destrutivos das doenças, não se previnem e não cuidam, têm uma maior probabilidade de transmitirem isso por meio dos gens para seus filhos. Portanto, geneticamente falando, essa pré disposição as doenças da cavidade bucal são transmissíveis.

O dente recém erupcionado é mais poroso e mais susceptível a cárie. É importante que a dieta seja controlada e os acompanhamentos pelo dentista sejam feitos num menor intervalo de tempo, para que ocorra uma adequada maturação pós eruptiva, ou seja, para que o dente adquira uma maior resistência, após irromper na cavidade bucal.

Fase de crescimento, estágio de maturação, atividades físicas, eficiência da absorção e uso dos alimentos, devem ser considerados diante das necessidades nutricionais, tanto para a criança como para o jovem e o adulto. O crescimento das crianças passa por 4 fases importantes a serem analisadas, Crescimento Inicial, muito rápido, Crescimento Uniforme é mais lento (idade pré escolar), Crescimento Acelerado (adolescente), Declínio de Crescimento ate parar (idade adulta).

As necessidades energéticas do lactente devem ser avaliadas através de, verificação do peso, crescimento da criança estado geral do bem estar, orientação individualizada da dieta, acompanhamento do crescimento / desenvolvimento da criança. Assim algumas regras devem ser seguidas para a alimentação no primeiro ano de vida:

  • 0 a 6 meses: aleitamento materno;
  • 6 a 7 meses: leite materno, 1 refeição de sal, 1 papa de fruta, 2 sucos de frutas;
  • 7 a 8 meses: leite materno, 2 refeições de sal, 2 papas de frutas, 2 sucos de frutas;
  • 8 a 12 meses: leite materno, 2 refeições de sal, 2 sobremesas, 2 sucos de frutas.

O leite possui um potencial cariogênico devido a presença de lactose, esta se encontra em maior quantidade no leite materno (7g/100ml) que no bovino (4g/100ml). O leite possui carboidratos, enzimas bacterianas e lactose. Por esse e demais motivos, que a higiene bucal deve ter início na vida da criança mesmo antes dos primeiros dentes apontarem na cavidade bucal. Criando assim um ambiente para a microflora bucal isento de microorganismos causadores da cárie, doença periodontal, etc, principalmente o streptococcus mutans, ou pelo menos, um ambiente desfavorável para a proliferação e atuação dos mesmos.

As frutas frescas e verduras cruas são chamadas de alimentos detergentes. A refinação dos alimentos os torna potenciais causadores de cárie. Dai que surge a importância da higiene bucal, principalmente após as refinação.

Os alimentos não são cariogênicos, mas podem se tornar através de uma interação complexa da, composição dos alimentos, padrão de consumo, flora bacteriana da placa, TEMPO QUE PERMANECE NA CAVIDADE ORAL .Os sucos e bebidas de frutas apresentam maior acidez que os refrigerantes , porém ambos são capazes de induzir queda do Ph , favorecendo a produção de ácidos pelos microorganismos que oriundos de suas associações são os causadores da cárie.


As modificações nos hábitos alimentares devem enfatizar, uma freqüência menor; redução do consumo de açúcar, uso de substratos do açúcar, evitar produtos com alto teor de açúcar e que fiquem retidos na boca.


ACONSELHAMENTO DIETÉTICO

  • Análise nutricional;
  • Sugestões para correção dos problemas devem ser aceitas;
  • Modificação deve ser gradual;
  • Freqüência é mais prejudicial que quantidade;
  • Dieta é importante fator da cárie;
  • Aprender que tipo de alimento ingerir, quando e onde modificar;
  • Açúcar ingerido produz ácido na placa por 20 a 30 minutos;
  • Alimentos cariogênicos devem ser consumidos junto com as refeições;
  • Usar substitutos do açúcar;
  • Combinar um dia para o consumo de doces (sugestão aos fins de semana);
  • Não dar líquidos durante as refeições.


Orientações que os pais devem transmitir a seus filhos, e praticarem juntos em casa:

  • Motivar a criança a mastigar;
  • Fazer as refeições em horários regulares;
  • Fazer as refeições com a família;
  • Ambiente agradável;
  • Saborear a dieta;
  • Iluminação do ambiente;
  • Temperatura da dieta;
  • Ruídos no ambiente - contra indicado;
  • Situação corporal confortável;
  • Ritmo de administração adequado;
  • Variedade de alimentos - criatividade.

Os pais devem ficar atentos:

  • Com gastos de alimentos desnecessários;
  • Comprar alimentos de alta qualidade nutritiva;
  • Com a rotina diária alimentar;
  • Com o peso, postura, porte, estrutura e etc de sua família;
  • Alerta para, composição forma e freqüência do consumo alimentar de sua família;
  • Ter consciência da importância da dieta como prevenção odontologia na sua vida e de sua família;
  • Entender a relação da nutrição com a saúde bucal.

Para se obter um bom resultado das alterações alimentares e conseqüentemente da microflora bucal e saúde bucal, não deixando de lado as necessidades nutricionais, é preciso que todos estejam conscientes, as crianças e os adolescentes devem ter o apoio dos pais e os pais devem ter o apoio da família.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

5 dicas de alimentação para 2017

Por que minhas dietas não funcionam?