Ed. 61-O poder da proteína do leite

Na edição 61 tem uma matéria imperdível sobre Whey Protein. Na versão impressa da revista você confere o que é o suplemento, verá os benefícios, curiosidades e também as opções do mercado. Aqui no blog, você verá as principais diferenças entre as sete gerações de Whey e entenderá muito mais sobre o assunto




Tipo de whey

Proteína

Gordura

Lactose

Descrição

Whey Doce

(1ª geração)

12-16%

10-15%

Mais de 75%

É um pó seco por spray supersônico e que

tem essa denominação devido ao alto

conteúdo de lactose, além de gordura.

Whey Filtrado

(2ª geração

34%

6-12%

Mais de 50%

Remove parte da lactose, aumentando o

conteúdo de proteína.

Whey ultrafiltrado

(3ª geração)

50-75%

6-10%

15-35%

Remove mais lactose e um pouco de

gordura, porém ainda oferece grande

quantidade de ambas substâncias.

Whey ultramicrofiltrado por

membrana de fluxo cruzado

(4ª geração)

75-80%

3-10%

4-7%

Filtros são utilizados para remoção de mais

lactose e gorduras, e alguns minerais. Não

ocorrem modificações no peso molecular

através de hidrólise, que será realizado

para a obtenção do concentrado de whey.

Whey por troca iônica

(5ª geração)

80-88%

1-4%

2-5%

Produz proteína levemente desnaturada,

produzindo um whey bastante puro, porém

com alto custo

Whey hidrolisado

ultrafiltrado

(6ª geração)

83-89%

1-3%

2-4%

Hidrolisado através de ácidos ou enzimas,

produzindo frações protéicas com peso

molecular reduzido. A descrição

“parcialmente pré-digerido indica

processamento apenas enzimático.

Whey Rennet micro- nanofiltrado

100% hidrolisado

com oligopeptídeos de

amplo espectro

(7ª geração)

90-96%

0-1%

1-2%

Isolado de lei que apresenta perfis com

pesos moleculares cuidadosamente

definidos para as diferentes frações, com o espectro completo de peptídeos, para

maximizar a retenção de hidrogênio e o

status antioxidante/imunológico. As

proteínas isoladas são montadas em

oligopeptídeos de comprimentos

específicos. Todo o processo é realizado

sob condições frias e não-ácidas para

assegurar a completa integridade da

proteína.

Fonte: SALZANO, I. Suplementos nutricionais: aplicações práticas em esporte, performance humana e extensão da vida. International School of Sports Nutrition and Human Performance.


Leia matéria completa na edição 61. Já nas bancas!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

5 dicas de alimentação para 2017

Por que minhas dietas não funcionam?