7 de Abril: Dia Mundial da Saúde



A OMS escolheu o Diabetes como tema para o Dia Mundial da Saúde deste ano.

Celebrada no dia 7 de abril, a data lançará um alerta sobre o aumento no número de casos, especialmente nos países em desenvolvimento, e a necessidade de estabelecer ações efetivas no combate e controle da doença.

O diabetes descontrolado ocasiona uma série de consequências no organismo, entre elas doenças cardiovasculares, renais, oculares e até mesmo amputações. Mesmo assim, 1/3 dos pacientes deixa de seguir as orientações médicas após 1 ano do diagnóstico. Além disso, embora seja a principal ferramenta para um controle efetivo da doença, somente 38,5% dos pacientes com diabetes tipo 2 têm o hábito de medir com frequência os níveis de glicose no sangue.


Monitorar os níveis de glicose diariamente é a melhor forma de controlar o diabetes

Ainda que o automonitoramento seja essencial para entender os efeitos da doença no organismo e assim tomar medidas que evitem as complicações, apenas 38,5% dos pacientes com diabetes tipo 2 têm esse hábito[i]

 Entender o diabetes é o primeiro passo para conviver bem com a doença. E para isso, é fundamental compreender como ela afeta o organismo. O monitoramento diário dos níveis de glicose no sangue é a melhor ferramenta para medir esse impacto. Isso porque se esses níveis estão fora do intervalo recomendado pelo seu médico, com grandes oscilações, significa que a doença não está bem controlada e com o tempo podem ocorrer uma série de complicações, entre elas doenças cardiovasculares, renais, oculares e até mesmo amputações.

Quem tem diabetes tem de duas a quatro vezes mais chances de sofrer um infarto ou acidente vascular cerebral do que uma pessoa que não tenha a doença[ii]. Da mesma forma, 65% dos pacientes estão em risco de ter ou já têm algum grau de disfunção renal, condição que triplica o risco de eventos cardiovasculares[iii]. Além disso, o diabetes é a maior causa de falência renal em países desenvolvidos e é a maior responsável por grandes custos de diálise.[iv] As consequências incluem ainda disfunção sexual, problemas de circulação nos membros inferiores e alterações oculares. Estima-se que mais de 2,5 milhões de pessoas no mundo estão afetadas pela retinopatia diabética, a maior causa de perda de visão de adultos.[v]

Uma das formas mais eficazes de conhecer e controlar a doença é o auto monitoramento dos níveis de glicose. Embora proporcione uma série de benefícios comprovados, a prática nem sempre é realizada da forma adequada. Uma revisão de estudos de países da América Latina descobriu que 74% dos pacientes tipo 1 e apenas 38,5% dos pacientes tipo 2 são usuários de medidor de glicemia[vi].

Sem conhecer os efeitos da doença no corpo, 73% dos pacientes com diabetes tipo 2 não alcançam os níveis de glicemia recomendados[vii]. Em média, um terço deles deixa de seguir as orientações médicas um ano após o diagnóstico.[viii]

Com a ajuda de um aparelhinho chamado glicosímetro é possível verificar as variações da glicose no sangue e dessa forma tomar atitudes que ajudem a controlar a doença, como ter uma alimentação equilibrada e praticar exercícios físicos.

O médico é quem deve indicar qual a frequência diária de monitoramento. Em geral a recomendação é que isso seja feito duas vezes por dia. “O auto monitoramento com os glicosímetros permite que os pacientes entendam melhor o impacto da alimentação, da atividade física e dos medicamentos no controle da doença e também que comecem a reconhecer, tratar e prevenir hipo/ hiperglicemias”, diz o médico Dr. Abner Lobão, Diretor de Assuntos Médicos e Educação para América Latina - J&J Medical Devices.


Mudança de hábitos

O diagnóstico do diabetes traz consigo a necessidade de mudança de hábitos, não apenas de alimentação e de atividade física, mas também no que diz respeito ao controle da doença. E muitas vezes esse não é um processo fácil de inserir na rotina. “O diabetes é uma doença crônica e que traz consequências a longo prazo, muitas vezes é difícil para o paciente enxergar e se convencer de que a mudança não pode esperar”, alerta o médico.

No caso de Simone de Souza Menino, o diagnóstico do diabetes tipo 2 veio aos 36 anos. E ela percebeu rápido a importância de mudar o estilo de vida. “O diabetes requer um cuidado diário, contínuo, e para isso é necessário ter informações e insumos para o controle. O sucesso do tratamento está no controle dos níveis de glicose e uma boa dose de felicidade. Coragem, disciplina, controle, rigidez, equilíbrio, são palavras muito fortes, às vezes duras, mas necessárias para a vida do diabético. E podem estar acompanhadas de amor, sorriso, um chocolate sem açúcar, um delicioso sorvete de morango diet. Basta encontrarmos o equilíbrio”, afirma.

Para reforçar a importância do auto monitoramento para um controle efetivo da doença, a Johnson & Johnson Medical Devices, por meio da sua marca OneTouch®, está lançando o Desafio 21 Dias OneTouch®. A campanha convida os pacientes a aceitarem o desafio de fazer diariamente a medição por 21 dias, e dessa forma perceber como este novo hábito proporcionará um melhor controle da doença, e logo, uma vida mais plena e saudável.

Para participar, basta se cadastrar no site www.diabetescontato.com/br ou no telefone 0800 701 5433. Quem aceitar o desafio, poderá ganhar os três livros da Coleção Receitas Saborosas e Saudáveis.

O primeiro volume da Coleção Receitas Saborosas e Saudáveis: Sobremesas, será enviado na casa do paciente após o cadastro no site. O segundo, Refeições, será enviado após o paciente confirmar que participou dos 21 dias do desafio. E o terceiro livro, Lanches, será enviado após o paciente trocar pontos acumulados no programa, por produtos da marca OneTouch®. Se o consumidor já for cadastrado no Programa Diabetes Contato, basta acessar o site e participar do desafio. Na página, também é possível tirar dúvidas dos produtos OneTouch®, além de dicas de como viver bem com o diabetes.



[i] Chan, J. C.N., J. J. Gagliardino, S. H. Baik, J.-M. Chantelot, S. R.G. Ferreira, N. Hancu, H. Ilkova, A. Ramachandran, and P. Aschner. "Multifaceted Determinants for Achieving Glycemic Control: The International Diabetes Management Practice Study (IDMPS)."Diabetes Care 32.2 (2008): 227-33
[ii] Chan, J. C.N., J. J. Gagliardino, S. H. Baik, J.-M. Chantelot, S. R.G. Ferreira, N. Hancu, H. Ilkova, A. Ramachandran, and P. Aschner. "Multifaceted Determinants for Achieving Glycemic Control: The International Diabetes Management Practice Study (IDMPS)."Diabetes Care 32.2 (2008): 227-33
[iii] Chan, J. C.N., J. J. Gagliardino, S. H. Baik, J.-M. Chantelot, S. R.G. Ferreira, N. Hancu, H. Ilkova, A. Ramachandran, and P. Aschner. "Multifaceted Determinants for Achieving Glycemic Control: The International Diabetes Management Practice Study (IDMPS)."Diabetes Care 32.2 (2008): 227-33
[iv] IDF Diabetes Atlas – 7ª edição
[v] IDF Diabetes Atlas – 7ª edição
[vi] Chan, J.C. N. Op cit
[vii] Chan, J. C.N., J. J. Gagliardino, S. H. Baik, J.-M. Chantelot, S. R.G. Ferreira, N. Hancu, H. Ilkova, A. Ramachandran, and P. Aschner. "Multifaceted Determinants for Achieving Glycemic Control: The International Diabetes Management Practice Study (IDMPS)."Diabetes Care 32.2 (2008): 227-33
[viii] .P. Hertz, A.N. Unger, M.B. Lustik, Adherence with pharmacotherapy or type 2 diabetes: a retrospective cohort study of adults with employer-sponsored health insurance, Clin. Ther. 27 (7) (2005) 1064–1073.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gosta de abacaxi? Saiba quais são os benefícios da fruta para o organismo

A vida pede atitude. Movimente-se