Compulsão alimentar pode ser mais comum do que se imagina


 90% dos brasileiros fazem uma dieta inadequada e estão sujeitos ao transtorno
         A compulsão alimentar é um transtorno mais comum do que se imagina, em que a pessoa consome regularmente uma grande quantidade de comida de uma vez só até se sentir desconfortável de tanto comer, mesmo sem fome alguma. A conseqüência é o peso na consciência, pois diferente dos bulímicos, não tentam vomitar depois. A compulsão alimentar pode acontecer em qualquer tipo de pessoa e é provável que esse indivíduo tenha excesso de peso com o decorrer do tempo.  Uma pesquisa feita pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) entre 2008 e 2009, revelou que 90% dos brasileiros fazem uma dieta inadequada com pouca ingestão de frutas, legumes e verduras, e, uma dieta considerada errada pode levar à compulsão alimentar. 
        Um dos fatores que pode causar essa compulsão é manter por muito tempo dietas muito restritivas. “Isso acontece porque uma dieta que diminua alguns nutrientes, principalmente o carboidrato, tira o equilibro do organismo. Isso faz com que o corpo utilize mecanismos compensatórios quando há alguma oportunidade de extravasar, desencadeando a compulsão”, explica a nutróloga Liliane Oppermann.
       Uma das recomendações da especialista é procurar estipular horários para as refeições, evitando que o organismo fique muito tempo em jejum. “O corpo em jejum nos faz perder as reservas energéticas e ele aciona a bioquímica do corpo para recuperar rapidamente esta reserva. O corpo entende esta rapidez como compulsão”, completa. Comendo com horários estipulados, a alimentação vira uma regra e não gula ou fome, e, além disso, comer de 3h em 3h mantém o metabolismo acelerado, contribuindo para a perda de peso. 
       Não existe cura para esse transtorno, mas sim um tratamento, que depende do acompanhamento de um médico especialista que indique a dieta ideal, e, também um psicólogo pode ser bom para auxiliar. 
       “Para evitar possíveis recaídas, a pessoa precisa entender que temos que comer em pouca quantidade várias vezes ao dia, beber bastante liquido, e, compor cada refeição de um carboidrato, uma proteína e um alimento regulador (verdura ou fruta), pois comendo todos os grupos, dificilmente terá vontade de extravasar com coisas mais apetitosas”, conclui a médica. 
 Fique atento aos sinais
- A pessoa come sem estar com fome e continua comendo mesmo quando sente o estômago cheio.
- Comer escondido ou esconder comida para comer depois
- Comer rápido demais 
- Apego com embalagens de alimentos, mesmo estando vazias
- Estresse, ansiedade, tristeza, culpa e preocupação que levam a pessoa a pensar em comida o dia todo
- Insatisfação com seu peso e aparência
 Dicas para evitar a compulsão alimentar
- Comer salada antes das principais refeições: esse costume agrega volume ao corpo do estômago, estimulando neuropeptídios da saciedade.
- Comer alimentos que são fonte em triptofano: essa subestância faz parte do neurotransmissor serotonina, que nos faz sentir tranquilidade, controle de ansiedade e saciedade.Iogurte, aveia, grãos, banana, ovos e queijos são fontes de triptofano.
- Beber bastante água: um corpo desidratado gera fraqueza e fadiga, sensações que induzem compulsão

Sobre Dra. Liliane Oppermann
A Doutora Liliane Oppermann, CRM 123314, é Médica Nutróloga, com título de Especialista pela ABRAN (Associação Brasileira de Nutrologia) e Ex-Diretora da Associação Médica Brasileira de Ortomolecular (AMBO). É capacitada em Nutrologia Esportiva, Diabetes, Obesidade Infanto Juvenil e em acompanhamento pré e pós Cirurgia Bariátrica. Pós-Graduada em Gastronomia Funcional, Coach pela Sociedade Brasileira de Coaching, Palestrante com diversos temas na área da saúde física, emocional e alimentação saudável, seja para público leigo ou profissionais da área. Desde 2002 se dedica ao Estudo da Obesidade. Elaborando o Método de Emagrecimento Dieta DC em 2008 e junto com a Prática Ortomolecular vem acompanhando seus pacientes. 






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas para uma ceia de Natal mais saudável

Qual a melhor forma de substituir o açúcar na dieta