Tremor nas pálpebras. Quando se preocupar?


  Sabe quando suas pálpebras começam a tremer inesperadamente e você não consegue fazê-las parar?! Pois é, a maioria das pessoas já sentiu isso alguma vez na vida, e não deu muito valor ou ficou intrigado, mas nem por isso resolveu procurar ajuda médica. Porém como deveríamos proceder frente a essa situação?

  Os tremores nas pálpebras são finas fasciculações do músculo orbicular, conhecida como Mioquimia, termo médico que significa espasmos involuntários, não sincronizados e espontâneos. Ou seja, são aquelas pequenas contrações rápidas da musculatura ao redor dos olhos. Geralmente o paciente apenas sente esse incômodo, mas podem também ser visíveis.

  O mecanismo não é totalmente entendido, mas acredita-se que o foco da irritação esteja nas fibras nervosas dos músculos, ou que possa estar relacionado a uma disfunção da Ponte (parte do nosso Sistema Nervoso Central), na região do núcleo do nervo facial. São mais frequentes em adultos, mas podem ocorrer em  qualquer idade.

  Pode haver melhora natural ou pararem quando o paciente puxa as pálpebras. Caso sejam muito fortes, os olhos podem movimentar-se de um lado ao outro, o que é chamado Nistagmo. Na maioria das vezes, trata-se de uma alteração intermitente, que cessa em poucos dias ou meses, sem outras associações. No entanto, pode ser um sintoma de doenças oftalmológicas ou neurológicas.

  Apesar do quadro ser na maioria dos casos sem uma relevante gravidade, não significa que devemos negligenciá-lo. Suas causas podem estar relacionadas ao estresse, fadiga (cansaço visual, como muitas horas em frente a computadores, celulares, tablets, leitura excessiva, ou esforço físico intenso), poucas horas de sono, ou qualidade ruim destas, ansiedade, ingestão de excesso de cafeína ou álcool, tabagismo, etc.

  É imprescindível a avaliação com exame oftalmológico completo e neurológico. Excepcionalmente, pode ser preciso exames complementares, como a ressonância magnética.

  Primeiramente, devemos observar os sintomas, sua frequência, e prevenir recaídas. Recomenda-se pausas a cada 15 minutos no computador, intervalos no trabalho, uso de alguns colírios (indicados por Oftalmologistas), diminuir ingestão de bebidas contendo cafeína ou álcool, praticar exercícios de relaxamento, meditação, yoga, ouvir música, evitar estresse e praticar atividades físicas leves.

  Mesmo os sintomas severos têm alternativas de tratamentos, como, por exemplo, aplicação de Toxina Botulínica.
Procure sempre um profissional capacitado para a devida orientação.



* Daniela de Carvalho Tasso é medica da CLOE Oftalmologia Especializada

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

5 dicas de alimentação para 2017

Por que minhas dietas não funcionam?