Instagram

Seguir por Email

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Exercícios aeróbicos



Exercícios aeróbicos trazem benefícios para o tratamento da enxaqueca crônica, indica estudo da Unifesp
Pacientes tiveram redução na intensidade e frequência das crises 
Pesquisa realizada no Ambulatório de Investigação e Tratamento da Dor de Cabeça (DITH) da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) concluiu que exercícios aeróbicos são eficazes no tratamento preventivo da enxaqueca crônica (pessoas com enxaqueca que apresentam 15 dias ou mais por mês de dores de cabeça), resultando na redução da intensidade e frequência das crises. Esta doença afeta de 2% a 3% da população geral, com a prevalência de 5% na população brasileira. O tratamento preventivo da enxaqueca deve ser instituído para esses pacientes. 
     O estudo, de autoria da fisioterapeuta Michelle Dias Santos Santiago, analisou 60 pacientes de ambos os sexos com idade entre 18 e 50 anos, no período de junho de 2010 a julho de 2012, em dois modelos de tratamentos. Eles foram divididos em dois grupos de 30 pessoas orientados a: 1) praticar exercícios aeróbicos (caminhada ao ar livre/ 40 minutos/três vezes por semana) aliados à medicação preventiva e 2) utilizar somente a medicação, ambos por um período de três meses. 
    Os participantes, antes de iniciar o tratamento, se enquadraram nos seguintes critérios de avaliação: diagnóstico de enxaqueca crônica, exame cardiológico e neurológico normais, e não ter praticado exercícios regularmente, nos últimos três meses. Após esse processo, eles foram avaliados nos seguintes parâmetros: frequência, intensidade e duração da dor de cabeça, dias de uso de medicação analgésica, índice de massa corporal (IMC), pontuação nas escalas que avaliam depressão e ansiedade, Beck Depression Inventory (BDI) e Beck Anxiety Inventory (BAI). 
     Os pacientes que realizaram exercícios receberam como instrumentos de acompanhamento um diário de dor de cabeça, folheto explicativo sobre os exercícios de aquecimento, planilha com o tempo de prática do exercício, Borg Scale (escala para classificação da percepção subjetiva do esforço) e a medição da frequência cardíaca no início e final da caminhada. Já os que se submeteram ao estudo apenas com medicação receberam somente o diário da dor. Ambos os grupos foram avaliados semanalmente através de contatos telefônicos da equipe avaliadora sobre a evolução das terapias propostas.
      Para a orientadora do estudo e neurologista do Setor de Cefaleias do DITH/ Unifesp, Thais Rodrigues Villa, os resultados foram surpreendentes. Cinquenta pessoas chegaram até o final do estudo e houve redução na frequência da enxaqueca. “O estudo demonstrou que o grupo de pacientes que utilizou a combinação de terapia de drogas preventivas associada a exercícios aeróbicos apresentou melhora significativa em todos os parâmetros da cefaleia e também na redução do índice de massa corpórea, resultando em perda de peso. A média de dias de dor no mês passou de 23 para 5 dias. Já os que receberam somente o remédio melhoraram em torno de 50%, de 25 para 13 dias de dor. A melhora nos sintomas de depressão e ansiedade também foi mais evidente no grupo que praticou exercícios”, explica Thaís. 
     “O exercício aeróbico de intensidade moderada, praticado regularmente, pode promover o relaxamento muscular, melhora do condicionamento cardiovascular e redução da frequência, intensidade e duração das crises de dor de cabeça. Mesmo com os exercícios realizados em casa, os pacientes tiveram resultados positivos, lembrando que, para a realização desse tipo de tratamento, é necessário o acompanhamento de um médico especialista”, explica a fisioterapeuta. 
O Ambulatório de Investigação e Tratamento da Dor de Cabeça (DITH) da Unifesp está localizado na Rua Pedro de Toledo, 650, Vila Clementino. As consultas são agendadas apenas via Unidade Básica de Saúde (UBS) e estão sujeitas às vagas disponíveis no momento do contato.



Nenhum comentário:

Postar um comentário